É como andam os portugueses há mais de uma década, em austeridades sucessivas impostas pelas várias governações, mesmo sob capas diferentes e demagogicamente "justificadas", tendo, porém, um resultado comum: a perda de poder de compra de quem trabalha e a (assustadora) aproximação do limiar da pobreza de uma grande percentagem de indivíduos e famílias. Na função pública, por exemplo: o congelamento de carreiras, o corte de...