Como estreia neste blogue ocorreu-me fazer um tributo a Maria Velho da Costa  pois se é certo que guardo dela o talento literário pelas Novas Cartas Portuguesas e pela Myra, é a gratidão que lhe devo que mais me pesa. Gratidão por ter sido percursora – com outras tantas mulheres e homens, é certo – da assumpção de Liberdade que a minha geração – não obstante as falhas e recuos...

Em Novembro de 2015, um terramoto abalou o quadro politico português. Dele nasceu a "geringonça", essa maquineta esquisita que foi comparada a uma vaca voadora. Pela primeira vez desde a aprovação da Constituição de 1976, as esquerdas convergiram no apoio estável a um governo minoritário do PS. Não era novidade a existência de governos minoritários do PS: já Mário Soares (I GC), António Guterres (XIII...

Comecei por conhecer a banda sonora deste magnifico filme, «Sotto falso nome», em inglês titulado como «Strange crime», da autoria do grande Ludovico Einaudi, um compositor italiano de música contemporânea de que gosto muitíssimo e cujo trabalho sigo de há algum tempo a esta parte. A música é em si mesma uma obra-prima, das melhores que conheço deste compositor, e, além do mais, quadra muitíssimo...

Há por aí um tipo novo de comentadores políticos, de extração académica refira-se (ou seja, não estamos a falar dos já estafados políticos – comentadores, outra singularidade portuguesa no contexto europeu…), que comentam vários assuntos nos órgãos de comunicação, sendo amiúde apresentados como especialistas sobre assuntos políticos, política internacional, política domestica, política de países europeus, política de país latino-americanos, política norte-americana, política do médio oriente,...

Já é para aí a terceira vez que vejo esta obra-prima desde que comprei o DVD em fevereiro deste ano! Baseado na obra homónima de Margaret Attwood, “A história de uma serva” (na tradução portuguesa), este filme é realizado pelo mestre Volker Schlondorf (“A honra perdida de Katarina Blum”) e o argumento de conversão do livro em obra cinematográfica é feito pela mão do grande dramaturgo...

Em 28 de Abril de 2020, estive a ouvir na SIC-N um seu subdirector, Pedro Cruz de sua graça, a defender que mesmo depois do fim do Estado da Emergência não interessa nada discutir as questões constitucionais pois, em nome do suposto combate à Pandemia, devemos estar abertos à compressão dos direitos fundamentais, generalizada ou de forma segmentada (tipo confinamento por vários meses dos mais...