Mesmo numa conjuntura política e económica mais favorável, e principalmente por causa disso, sendo necessário, não é suficiente contar exclusivamente com a maioria que no parlamento tem dado conta do recado, naquilo em que o denominador, mesmo oscilante e variável, tem sido comum. Essa maioria traduz uma base eleitoral e social de apoio, que não deve ser confundida com as várias bases militantes, com diferentes...

O plural «juventudes» será provavelmente mais apropriado, até porque só em momentos extraordinários esta categoria sociológica pode emergir como sujeito coletivo. Entre a diversidade individualista e o grito de uma rebelião de massas pode distar apenas um pequeno passo, ou seja, entre os ambientes de consumo, alienação e excesso e as formas mais abertas de protesto coletivo existem vínculos socioculturais que importa não menosprezar. A...

Se é verdade que “rebeldia” e “precariedade” rimam com a condição juvenil talvez seja oportuno propor uma reflexão onde se questiona qual desses termos se mostra, hoje em dia, mais pertinente para definir a atual juventude. Por outras palavras, será pela irreverência e rebeldia ou antes pela capacidade adaptativa que o chamado “precariado” pode deixar a sua marca na sociedade? É essa a questão que...

Recentemente, três eventos políticos, dois nacionais e um internacional - que recebeu bastante atenção entre os nossos comentaristas políticos -, colocaram em destaque a necessidade de que o campo de esquerda ou centro-esquerda voltasse a se preocupar em ouvir mais a população ao definir suas pautas eleitorais. O primeiro deles, internacional, foi a eleição presidencial francesa que, se de um lado, mobilizou o receio de...

É na avaliação dos resultados que a igualdade de oportunidades é confirmada e validada. Quem ficou pelo caminho, porque ficou pelo caminho, quando ficou pelo caminho, o que socialmente não se fez para se ter ficado pelo caminho? Portanto, para a segunda metade do seu mandato, que começa já com a elaboração do Orçamento do Estado para 2018, o governo tem esta agenda política...

No dia a seguir à sua tomada de posse, o presidente francês Emmanuel Macron deslocou-se a Berlim para conversar com Angela Merkel. Fez exactamente o mesmo que o seu antecessor de triste memória François Hollande havia feito cinco anos antes. E parece que com o mesmo propósito: relançar o eixo franco-germânico na base de uma viragem política por parte dos teutões. Vale a pena fazer...

Nós é um romance distópico, da autoria do escritor russo Yevgeny Zamyatin (1884-1937), lançado em 1924 quando a revolução bolchevique vivia ainda a fase, que se seguiu de imediato ao termo da guerra civil entre vermelhos, brancos e verdes, em que a criatividade literária, artística e científica era estimulada pelo governo revolucionário. Mas a obra de Zamyatin - exilado em 1905 pelo czarismo, e mais...