A plataforma de Bolsonaro, tal como as atitudes e orientações do candidato, são em geral descritas como iliberais. Todavia, tal classificação está em parte equivocada. É verdade que o candidato fez declarações explícitas a elogiar a ditadura militar e até alguns dos seus ilustres torturadores (como o coronel Carlos Brilhante Ustra), dizendo que a ditadura teve bons resultados, o seu maior problema foi não ter...

Se por essa Europa fora os povos vivem o choque da política pós-modernista - aquela que está transformada numa ficção com direitos de autor -, representando, por isso, um erro de paralaxe relativamente à realidade, é lícito ter-se a expectativa de que aqui, em Portugal, se tenha levado tão longe quanto a razão consegue alcançar, as lições do que se está a passar por...

Tendo o teste político feito prova da sua validade por via do maior desafogo em que todos vivem, Outubro de 2019 há-de obrigar, e não só pela ditadura das contas eleitorais, a que PS, BE, PCP e PEV mantenham a disposição de considerarem que os quatro anos que se hão-de seguir representarão outras tantas oportunidades para afirmarem e concretizarem as lições retiradas...

Dentro de dias realiza-se no Brasil a segunda volta das eleições presidenciais, em que se apresenta um candidato, Jair Bolsonaro, que promove o elogio da tortura e da ditadura, que propõe a discriminação das mulheres e o desprezo pelos pobres, representando uma cultura de ódio. Contra ele, quem assina este apelo manifesta a sua solidariedade com a democracia e com os direitos sociais do povo...

A presença do BE, PCP e PEV no governo só será relevante se representar, no plano programático, mudanças significativas na orientação política, por exemplo, a descentralização, a fiscalidade, os rendimentos, a saúde e o ensino. Está a dizer-se que estes partidos têm condições e estão à altura para ocupar lugares no aparelho do governo e que a sua presença representaria uma garantia de que politicamente...