Não vale a pena absolutizar a Constituição: numa ordem política democrática, quando o Estado de Direito e a democracia entram em conflito, então é preciso negociar e deliberar para encontrar uma saída, necessariamente de índole política. É isso que tem faltado em Espanha e na sua relação com a Catalunha....

Quando tiverem passado quatro anos sobre o 10 de Novembro de 2015, a avaliação que lhe se fizer há-de contar com o significado simbólico que ela representou, mas sobretudo com os benefícios que trouxe para a grande maioria da população, para aqueles que vivem do seu trabalho diário. E será esse balanço que deverá contar para as decisões que então se vierem a tomar. Se...

Tenho por Francisco Assis amizade, consideração e respeito, desde que o conheci, era ele jovem estudante de Filosofia no Porto, por ocasião da primeira campanha eleitoral de Mário Soares - uma campanha que tivemos de fazer a pulso, longe da euforia que seria a segunda...

Muito mais preocupante, para o futuro da «Geringonça», do que os resultados eleitorais dos comunistas, foi a forma algo nervosa e contraditória como estes reagiram a quente.  Todavia, em muitos municípios, nomeadamente na Área Metropolitana de Lisboa, a necessidade de alianças pós-eleitorais entre as esquerdas para a formação de governos autárquicos estáveis é hoje mais premente do que em 2013. Por isso, este será o...

As instituições políticas, por muito que custe aos mais dogmáticos, devem grande parte da sua capacidade de sobrevivência à plasticidade com que acomodam o agenciamento humano, e como respondem diferenciadamente a cenários políticos novos. Assim sucede com o sistema de governo português, vulgarmente designado por semi-presidencialista, que desde que tomou a sua forma actual (na revisão constitucional de 1982) se tem moldado a diversas formas...