A história ensina-nos que muitos ditadores chegaram ao poder por via eleitoral, em eleições livres e justas, e convém aprender com as lições do passado… e, por outro lado, pode discutir-se da pertinência de integrar os contestatários da democracia no seu seio. E tais reflexões devem servir também para o jornalismo. Pela nossa parte, parece-nos mais adequada a estratégia do «cordão sanitário». ...

A Lei de Bases da Saúde que em breve irá ser votada na Assembleia da República há-de representar a garantia de que o Serviço Nacional de Saúde (SNS) passa a contar com um enquadramento jurídico que o defende, protege e promove. Para o efeito, o serviço público de saúde exige que lhe sejam dadas as condições políticas para poder cumprir plenamente a sua missão. A...

A Proposta de Lei aprovada em Conselho de Ministros no passado dia 13, e já enviado à Assembleia da República, é um documento que rompe com o espírito e com a letra da lei de 1990 e recupera várias passagens do trabalho da Comissão governamental. Embora diferentes na sua exaustividade, não são contraditórios sendo ambos atravessados pelo mesmo propósito de valorizar o Serviço Nacional de...

A plataforma de Bolsonaro, tal como as atitudes e orientações do candidato, são em geral descritas como iliberais. Todavia, tal classificação está em parte equivocada. É verdade que o candidato fez declarações explícitas a elogiar a ditadura militar e até alguns dos seus ilustres torturadores (como o coronel Carlos Brilhante Ustra), dizendo que a ditadura teve bons resultados, o seu maior problema foi não ter...

Se por essa Europa fora os povos vivem o choque da política pós-modernista - aquela que está transformada numa ficção com direitos de autor -, representando, por isso, um erro de paralaxe relativamente à realidade, é lícito ter-se a expectativa de que aqui, em Portugal, se tenha levado tão longe quanto a razão consegue alcançar, as lições do que se está a passar por...

Tendo o teste político feito prova da sua validade por via do maior desafogo em que todos vivem, Outubro de 2019 há-de obrigar, e não só pela ditadura das contas eleitorais, a que PS, BE, PCP e PEV mantenham a disposição de considerarem que os quatro anos que se hão-de seguir representarão outras tantas oportunidades para afirmarem e concretizarem as lições retiradas...