A conspiração por outros meios. Exemplo.

A conspiração por outros meios. Exemplo.

É inquietante o que se está a passar com a diplomacia portuguesa. Sobretudo porque não se trata da orientação unilateral do titular da pasta dos negócios estrangeiros, mas porque abrange  todo o governo e,  indirectamente, a maioria parlamentar que o apoia. Embora BE e PCP se tenham distanciado do posicionamento assumido pelo governo, a verdade é que não foi suficiente para fazer inflectir o apoio que continua a ser dado ao autoproclamado presidente da Venezuela. De tal maneira, que o embaixador português naquele país esteve no aeroporto de Caracas a receber o indivíduo, numa clara manifestação de infracção às mais elementares regras de relacionamento entre  dois países e de hostilidade aos seus legítimos representantes. Sobre a escolha do ministro Santos Silva já não restam dúvidas a quem ele daria o abraço de boas-vindas a Portugal; já  o primeiro-ministro mantém uma apreciação equívoca quanto ao assunto, dando, dessa maneira, espaço e oportunidade a que se assista ao lamentável espectáculo do embaixador português.

Tudo se precipitou quando, a 23 de Janeiro, Santos Silva  deu a cara pelas posições dos países que defendiam o golpe a propósito da entrada indevida do que foi designado por ajuda humanitária, mas que outros classificaram de cavalo de Troia da conspiração. Falhado o golpe a 23 de Fevereiro, e mau grado se ter multiplicado em explicações e ter negado o que disse um mês antes, o ministro acabou por não reconhecer o erro político, manter a sua posição inicial e dessa maneira dificultar as relações bilaterais, já com consequências no domínio económico.

A acompanhar esta decisão política, a televisão pública tem-se prestado à mais inverosímil actividade jornalística, ao tornar-se, por via do seu enviado naquele país, numa autêntica agência de propaganda do autoproclamado presidente. Que os canais privados o façam, é da sua conta e da agenda política dos seus responsáveis. Que a televisão pública tenha uma agenda política, extravasando a sua missão, que devia ser informar com imparcialidade o que se passa naquele país, merece todos os reparos, críticas e condenações. Os contribuintes, dada a diversidade de pontos de vista que têm, não podem ficar à mercê de reportagens e opiniões que distorcem a realidade ao transmitirem quase exclusivamente o que se passa num dos lados da barricada. Isso tem um nome, intoxicação política. Os serviços públicos  estão obrigados a ter regras, valores, a serem imparciais e contribuírem para o esclarecimento sobre o que se passa em Portugal e no mundo. Os serviços públicos não se podem constituir em redomas á prova do que se passa fora dela.

Hoje está claro que houve uma conspiração para derrubar o presidente legítimo da Venezuela e que o governo português fez parte dessa conspiração. E está  também claro que embora a conspiração tenha falhado, o governo não retirou qualquer lição dessa aventura, mantendo uma indisfarçável beligerância com aquele país. Esta página negra da diplomacia portuguesa já não podendo ser apagada, havia que se ter a ousadia de dar sinais de que se tratou de uma decisão irreflectida, ao arrepio do que tem sido a sua melhor tradição, contribuir para a resolução de conflitos internacionais. Ao atrelar-se aos que tinham interesses geoestratégicos e económicos na região, o governo português prestou um mau serviço aos venezuelanos, aos portugueses residentes naquele país e a todos os portugueses.

Tags:
,
Cipriano Justo
cjusto@netcabo.pt

Professor universitário, e especialista de saúde pública. Transmontano de Montalegre, com uma longa estadia em Moçambique, dirigente associativo da associação académica de Moçambique e da associação dos estudantes da Faculdade de Medicina de Lisboa. Várias publicações, entre as quais sete livros de poesia. Prémio Ricardo Jorge e Arnaldo Sampaio.

No Comments

Post A Comment

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.